Apresentação

O Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul (InsCer) é uma entidade filantrópica, que faz parte da Rede Marista e é mantida pela União Brasileira de Educação e Assistência (UBEA). O InsCer tem basicamente duas linhas de atuação: a pesquisa e a assistência. Como pesquisa, é conduzido por um time de neurocientistas renomados mundialmente e está comprometido com o desafio de desenvolver pesquisas na área de neurociências que sejam aplicadas à população. Como assistência, oferece serviço de exames de imagem com equipe qualificada e tecnologia de altíssimo nível.

A neurociência está em constante evolução e cada vez mais se relaciona com outras áreas do conhecimento. A transformação no perfil da população traz a necessidade de adaptar os serviços de saúde para que estejam aptos para prevenir e tratar as doenças que assumem o topo da lista, como a demência de Alzheimer, doenças neurodegenerativas e a gravidade de sequelas neurológicas decorrentes de acidentes vasculares cerebrais, conforme resume o diretor do InsCer, o neurologista Jaderson Costa da Costa: “O InsCer é um polo de desenvolvimento, pesquisa e inovação na busca de soluções às doenças que acometem o cérebro e orientado às demandas do paciente e sociedade”.

Inaugurado em 06 de junho de 2012, originou-se a partir do grupo de pesquisa em neurociências do Instituto de Pesquisas Biomédicas da PUCRS, com o objetivo de atuar em pesquisa e desenvolvimento translacional em saúde. Em 09 de novembro de 2020 teve sua estrutura ampliada, finalizando o projeto original que havia sido concebido, com uma área total de 9.335 metros quadrados.

“Não se trata apenas de uma ampliação de espaço físico, representa um marco histórico para a PUCRS, pois por meio de iniciativas inovadoras que serão desenvolvidos pelo InsCer, estaremos desenhando o futuro com projetos concretos e efetivos ancorados no presente, tornando o lugar onde vivemos melhor a partir do cuidado, desde a prevenção, diagnóstico, tratamento e pesquisa de ponta em saúde”, afirma o reitor da PUCRS, Ir. Evilázio Teixeira.

Diferente de outros institutos que existem no País, as pesquisas desenvolvidas no InsCer têm foco no paciente, e a estrutura reúne centro clínico, ambulatório e produção de radiofármacos. 

São sete laboratórios altamente equipados e representam um avanço para as pesquisas translacionais, com espaços que favorecem a interação entre cientistas. Esses ambientes são dedicados exclusivamente aos estudos pré-clínicos do cérebro. O Centro de Pesquisa e Investigação Clínica, organizado em nove ambientes, inclui espaço diferenciado para registros de polissonografia e moderno simulador de exame de ressonância magnética para que o paciente se familiarize com o procedimento.

Novos exames e tecnologia de diagnóstico e reabilitação estão sendo oferecidos à população, como a estimulação magnética transcraniana e as avaliações neuropsicológicas e multidisciplinares. A ampliação da Centro de Imagem Molecular, com a aquisição do estado da arte em ressonância magnética, permite maior precisão diagnóstica e estudos funcionais qualificados oferecidos à comunidade. 

Todo o processo de produção de radiofármacos ocorre dentro do InsCer, desde a pesquisa básica para descobrir novos biomarcadores, até a aplicação em pacientes.   Denominado de Pesquisa Translacional, este ciclo se dá em uma nova e ampla estrutura, totalmente focada nas pesquisas e no atendimento ao paciente. Os radiofármacos são substâncias utilizadas em doenças neurodegenerativas e oncológicas e têm despertado grande interesse no mundo inteiro em função da expressiva ocorrência na população.  O Campus da Saúde da PUCRS Frente à amplitude que o conceito de longevidade vem ganhando na ciência com o aumento da expectativa de vida em todo o mundo, o Campus da Saúde da PUCRS foi pensado não apenas para promover o viver mais, mas para garantir o viver bem. Um lugar completo para que a população do Rio Grande do Sul e do Brasil alcance a longevidade com saúde e autonomia.   

A ampliação do InsCer é primeira etapa dessa iniciativa que tem formato inédito no País e vai reunir ensino, pesquisa, inovação e assistência às pessoas. O modelo integrado e multidisciplinar foi pensado para atender o movimento de cuidado integral com a vida e promoção da saúde em todos os sentidos, conectando as atuações do Parque Esportivo, do Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul (InsCer), do Centro Clínico, do Centro de Reabilitação, do Hospital São Lucas da PUCRS (HSL), das Escolas de Medicina e de Ciências da Saúde e da Vida e de iniciativas de inovação como o BioHub, empreendimento do Tecnopuc que atua na geração de negócios inovadores em ciências da vida.

“É uma mudança de modelo, de paradigma, com integração entre todas as unidades e circulação facilitada”, conclui Jaderson Costa da Costa.