• estudo epilepsia

Um artigo da pós-doutoranda Graciane Radaelli, realizado em parceria com o Instituto do Cérebro do RS e a Unifesp, foi publicado no journal Epilepsy & Behavior, dos Estados Unidos. Denominado “Causas da mortalidade na encefalopatia epiléptica infantil precoce: uma revisão sistemática”, o estudo busca identificar as causas de morte na encefalopatia epiléptica infantil precoce (EIEE) através de uma revisão sistemática da literatura sobre desfechos fatais desta doença.

A encefalopatia epiléptica infantil precoce, também conhecida como síndrome de Ohtahara, é definida por características clínicas e achados eletrencefalográficos. Os distúrbios epilépticos com convulsões refratárias iniciadas no período neonatal e/ou na primeira infância têm um risco potencial de mortalidade prematura, incluindo morte súbita.

O crescente interesse na detecção de novas bases moleculares da EIEE está nos levando a um melhor entendimento desta doença grave, mas faltam dados bem relatados para esclarecer as causas de morte relacionadas à doença.

O que se pôde concluir é que este estudo mostra a encefalopatia epiléptica infantil precoce como uma doença grave associada a uma mortalidade prematura, evidenciado por uma idade muito jovem no momento da morte.

Coautores: Francisco de Souza Santos, Wyllians Vendramini Borelli, Leonardo Pisani, Magda Lahorgue NunesFulvio Alexandre Scorza, Jaderson Costa da Costa.