• vesao2
  • MAISUM

Coordenador do Projeto: Augusto Buchweitz, PhD

O projeto ACERTA surgiu com o propósito de melhor entender as mudanças que ocorrem no cérebro das crianças em fase de alfabetização. O principal objetivo é de compreender por que algumas crianças desenvolvem transtornos de aprendizagem. Em conjunto com outros dois centros de pesquisa, em Florianópolis e Natal, estão sendo identificados biomarcadores precoces desses transtornos, através do uso da neuroimagem funcional e estrutural.

Paralelamente, o projeto tem o objetivo de divulgar e conscientizar a comunidade escolar sobre os transtornos específicos de leitura (dislexia) e matemática (discalculia), que afetam entre 5 e 10% das crianças em todo o mundo. A pesquisa está organizada em torno de três grandes eixos: avaliação clínico-pedagógica, identificação de marcadores biológicos e construção de modelos preditores de transtornos de aprendizagem.

Se você conhece uma criança na faixa etária proposta pela pesquisa (crianças de 9 a 13 anos) e gostaria de uma avaliação ambulatorial em nosso Instituto, escreva para projetoacerta@gmail.com.

 

Entenda o processo fundamental para aprender a ler

MAISUMPara se aprender a ler, há três etapas muito importantes na alfabetização inicial: 1) identificação de palavras como imagens; 2) identificação dos componentes fonológicos das palavras, ou seja, os seus sons (grafemas e seus fonemas); 3) domínio da ortografia. Pessoas alfabetizadas há muito tempo não percebem mais a importância do processo fundamental de aprender a ler (decodificar) um código escrito. Para adultos, é automático transformar as letras “b” “o” “l” e “a” em som e palavra. O processo de decodificação em adultos que leem fluentemente é automático; assim, é possível decodificar as palavras tão rapidamente que nem se percebe mais este processo. Como leitores fluentes, acessamos o significado e todas as experiências que, no nosso cérebro, estão armazenadas para, por exemplo, a palavra “bola.”

Antes de aprendermos a ler, exercitarmos e desenvolvermos nossa compreensão de texto, é necessário aprender a identificar os sons que estão associados com cada letra do alfabeto, e as palavras que estas letras formam. Naturalmente, o processo de leitura não é apenas decodificação. É necessário que se desenvolva a leitura e a compreensão (por exemplo, o processo de inferenciação, construção de ideias principais, entre outros). Quando a decodificação se torna automática, aí sim é possível ler histórias, entender livros e conteúdos. E se esse processo de decodificar as letras que estão nesta página fosse lento, mal desenvolvido? Você levaria muito tempo para ler o que está escrito aqui e, ao final, provavelmente nem se lembraria da maior parte do texto.

Saiba mais: